domingo, 9 de abril de 2017

De conchinha

Não quero ser mãe.
E não preciso de motivo pra isso.
Quem precisa são os outros.
Que parece que não têm outro compromisso.

Se a sua ideia é diferente
Sua vontade impertinente
Ou sua necessidade latente

Você está errada
Certo é ser manipulada
E não se deixar ser amada

Mas nossa, isso é pecado!
Com tanta gente na tentativa
Tomando iniciativa
E você com tanto amor enlatado

Sabe, não é não
Nem é falta de um coração
É que cansei de inventar desculpas.
E de chorar tanto pela pressão.
Se você está solteira
Precisa de alguém pra pedir sua mão
Se está casada, é filho, é neto, é bicho
Nada é suficiente então

Na verdade, sociedade
A gente não precisa de nada
Só de respeito durante a caminhada

E dá pra amar os sobrinhos,
e todas as crianças do mundo
O que não dá é para aguentar os adultos
com aquela choradeira ao fundo

E é tanta cobrança de maternidade
e use sempre camisinha
A gente não sabe se segue a publicidade
Ou se dorme de conchinha

(contém ironia, tá?)
Resposta para os comentários "você vai mudar de ideia"
> não mudamos todos os dias?

Nenhum comentário: